***


OUÇA ABAIXO A MÚSICA DE CAMPANHA DA
DRA. JOSEANE
https://soundcloud.com/radio-coruja/jingle-da-campanha-da-dra-joseane

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

POLÍCIA CIVIL ESCLARECE ASSASSINATO DE EX-VEREADOR EM XINGUARA



Vaqueiro e ex-cunhada planejaram a execução do ex-vereador Biro-Biro.

Em entrevista coletiva concedida à imprensa na manhã de ontem, o delegado José Orimaldo da Silva, da Delegacia de Polícia de Xinguara, detalhou os fatos sobre as investigações que culminaram com a elucidação do assassinato do ex-vereador Elpidio Pereira da Silva, o “Biro Biro”, executado com um tiro no peito dentro de seu carro, no dia 06 de fevereiro, na rodovia PA 279. De acordo com o delegado, quem matou o ex-vereador foi o vaqueiro Manoel Pereira Oliveira, 39 anos, casado, natural de Arapoema (TO), residente no setor Mariazinha, em Xinguara.
A mentora do crime foi Kátia Dias Ribeiro, de 49 anos, ex-cunhada de “Biro Biro”. O crime teria sido primeiramente arquitetado pelo próprio vaqueiro, com a alegação de que Elpidio teria assediado sua mulher quando esta trabalhava para ele. Ao saber da intenção do vaqueiro, Kátia teria o instigado para que ele cometesse o crime e  ainda teria lhe ofertado certa quantia em dinheiro pelo serviço. Conforme o combinado, o vaqueiro Manoel, se passando por fazendeiro, e usando o nome fictício de “Carlos”, telefonou para a vítima com a desculpa de contratar seus servidos para fazer a medição de uma terra, já que “Biro Biro” trabalhava como consultor em georreferenciamento de terras em propriedades rurais da região.
Sem imaginar que se tratava de uma emboscada, “Biro Biro” foi ao encontro do tal fazendeiro que o aguardava às margens da rodovia PA 279, e quando chegou ao local, ao abrir o vidro da caminhonete para conversar com o suposto fazendeiro, recebeu um tiro a queima roupa, morrendo instantaneamente dentro do carro. Ainda conforme o delegado Orimaldo, foi durante as investigações que a polícia chegou a duas testemunhas chaves do crime. Foram elas que disseram o nome do criminoso e o local onde o mesmo escondeu à moto usada no dia da execução. Já a testemunha que delineou a participação de Kátia no crime, foi à mulher do homicida, Luzenir. Foi ela quem contou todos os detalhes do crime ao delegado, onde acusou a participação de Kátia.
Durante acareação feita entre as duas, Luzenir manteve todas as acusações. Por sua vez, Kátia negou veementemente sua participação na morte do ex-cunhado. Kátia foi presa na tarde de segunda-feira, 11, e foi transferida para a penitenciaria de Redenção. O motivo da participação de Kátia no episodio ainda não está bem esclarecido. Segundo o delegado, “Biro Biro” e Carla (irmã de Kátia) estavam em litígio devido à separação, sendo que no dia 14 de fevereiro aconteceria a segunda audiência de conciliação sobre a divisão do patrimônio do casal. Até o final da tarde de ontem, o vaqueiro Manoel Pereira continuava na condição de foragido da justiça.


Nenhum comentário:

Postar um comentário